Caso Morato leva SDS a discutir novas normas

Secretaria publicou portaria para estabelecer novos procedimentos investigativos em cenários de crime.

Após admitir publicamente falhas na preservação do local e processos periciais no quarto de um motel em que o corpo do empresário Paulo César de Barros Morato foi encontrado morto, em Olinda, a alta cúpula da Secretaria de Defesa Social (SDS) decidiu abrir portaria para estabelecer novas regras para procedimentos investigativos em cenários de crime. A medida foi tomada pelo secretário-executivo da pasta, Alexandre Lucena, e publicada no Diário Oficial do Estado.

A intenção foi abrir um canal de diálogo para que representantes das categorias de segurança pública discutam propostas para reajustes no manual de Procedimento de Operação Padrão (POP) da secretaria. Para isso, um grupo de trabalho foi designado por Lucena para intermediar os debates, com a presidência do gestor da Diretoria Integrada Metropolitana da Polícia Civil, delegado Joselito Kehler. Procurado pela Folha de Pernambuco, o investigador não quis comentar sobre as discussões, alegando que “tudo ainda está no começo”.

As propostas serão criadas e debatidas por dois peritos criminais (Gilmário Lima e João César), dois peritos papiloscopistas (Márcio Mendes e Ivan Oliveira Silva), dois médicos legistas do Instituto de Medicina Legal e dois escrivães da polícia. O prazo para a elaboração dos pleitos – que serão encaminhados para a análise da alta cúpula da SDS – é de até 15 dias.

Atraso

O Instituto Médico Legal (IML) concluiu o laudo sobre a morte do empresário Paulo César de Barros Morato, 48 anos, encontrado morto no último dia 22, no Motel Tititi, em Olinda. O resultado dos exames de DNA, tanatoscópico, histopatológico e sexológico foram entregues, na última segunda-feira (4), para a gestão do Instituto.

Entretanto, a coletiva que seria realizada, nesta quarta-feira (6), pela Secretaria de Defesa Social (SDS), foi adiada. A nova data ainda não foi informada. O objetivo seria apresentar os detalhes dos laudos realizados pelo IML, Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) e Instituto de Criminalística. No entanto, um atraso na entrega dos laudos dos peritos teria feito a SDS mudar a data da apresentação.

Mais de dez dias após ter sido encontrado morto, Morato foi sepultado, no domingo (3), no cemitério de São Miguel, em Barreiros, na Mata Sul. A cerimônia ocorreu após o corpo de PC ter sido retirado do IML, sem alarde, no mesmo dia.

Antes do corpo ser enterrado, os familiares realizaram uma rápida homenagem no cemitério, onde se encontra o jazigo da família do empresário. Curiosamente, a gaveta do corpo de Morato no IML seguiu fechada com cadeado e corrente.

Fonte: http://www.folhape.com.br/politica/2016/7/caso-morato-leva-sds-a-discutir-novas-normas-0052.html

Leave a Reply