NOTA DE ESCLARECIMENTO DA ASPPAPE À SOCIEDADE E IMPRENSA

Resultado de imagem para nota de esclarecimentoDILUCIDAMENTO DA ASPPAPE

A Associação dos Peritos Papiloscopistas Policiais Civis do Estado de Pernambuco (ASPPAPE), vem a público esclarecer a nota publicada pela Associação de Polícia Científica de Pernambuco (APOC) e louvar o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (SINPOL) por sua intervenção na crise que o Estado de Pernambuco hoje enfrenta na segurança pública, em especial intervindo na crise instalada cujo os cargos executam suas funções voltadas para elucidação dos crimes investidos de conhecimento técnico-científico para fundamentação de suas conclusões na apresentação da prova material.

Inicialmente esclarecemos que não existe Polícia Científica, segundo a Carta Magna, lei maior em nosso país, que define as polícias em todo Brasil. Segundo, informamos que existem atualmente 09 cargos existentes na Polícia Civil, sendo um em extinção, Operador de Telecomunicações, conforme Lei Complementar Estadual 137/08, modificada pela LC 156/10 ratificando que não existe Polícia Científica e sim uma Gerência com a função de normatizar e organizar os 3 Institutos de Perícia no Estado: Instituto de Identificação, Instituto de Criminalística e Instituto de Medicina Legal. Os únicos Órgãos Operativos da Secretaria de Defesa Social que estão em conformidade com a CF/88 são: Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar.    Não temos vínculo direto com o SINPOL, prova que não temos nenhum Perito Papiloscopista em seu corpo diretivo mas somos policiais civis e hoje é o único Sindicato que nos representa. Diferentemente da APOC que tem apenas interesse corporativista e com isso visa reserva de mercado e centralizar todas as perícias inclusive a de identificação pericial que sempre foi exclusiva do perito papiloscopista, conforme Lei Complementar Estadual nº 49/2003 no seu Art. 18, I, b, e divulgou uma nota de esclarecimento postada em sua página no Facebook, na noite de ontem, 07 de novembro de 2017, criticando o Sindicato dos Policiais Civis que tem um compromisso com toda a categoria, com total isenção de corporativismo entre classes, pautada na legalidade e na melhor estruturação organizacional, com produção de serviços de qualidade para nossa sociedade pernambucana.

Deixamos claro à Sociedade Pernambucana que o interesse dessa Associação – ASPPAPE é apenas que se faça justiça, são 108 anos de história e queremos contribuir para que a Polícia Civil de Pernambuco cresça na melhoria dos seus serviços, pois antes de sermos categoria, somos cidadãos. Não apoiaremos qualquer paralisação mas nos colocaremos solidários a intervenção dessa entidade classista com o propósito de no referido dia nos voluntariar para esclarecer a toda sociedade, com atos pacíficos apenas com intuito de informar o prejuízo causado pela publicação desse Decreto, sem incentivar qualquer tipo de suspensão de serviço.

A nossa papiloscopia está engessada desde a retirada das atribuições dos Peritos Papiloscopistas em 23 de maio de 2017, não repercutindo nenhum resultado e maculando a belíssima imagem construída por esse profissionais. Diversos Estados da Federação tem buscado soluções para acabar com uma crise institucional que vem se instalando em todo Brasil e a solução mais adequada foi concebida pela união das categorias porém em Pernambuco andando na contramão procurou a segregação, agravando ainda mais essa crise em nosso Estado.

Esperamos que lideranças que pregam a segregação se renovem,  pois esse discurso de ódio tem que acabar. No Brasil como um todo, precisamos de líderes que busquem agregar pessoas, conhecimentos, habilidades, ideias e ações para poder gerir recursos, sejam eles humanos, materiais ou financeiros, utilizando da política para o social e para coletividade pública, sempre no intuito de somar e nunca subtrair. 

RECIFE, 08 DE NOVEMBRO DE 2017.

A DIRETORIA ASPPAPE

 

Leave a Reply